Habitação Minima - 15yK / 17yL

Localização  Havana - Cuba

Fase               Concurso 

Ano                2011

01 - HABITAÇÃO MINIMA - HAVANA - CUBA_a_page-0001.jpg
02 - HABITAÇÃO MINIMA - HAVANA - CUBA_b_page-0001.jpg
03 - HABITAÇÃO MINIMA - HAVANA - CUBA_c_page-0001.jpg
04 - HABITAÇÃO MINIMA - HAVANA - CUBA_d_page-0001.jpg

Memória Descritiva

HABANA_CUBA - Lote 17yL

Proposta de Intervenção: 1.1

– Ideia

 

Partindo da leitura da construção existente e do modo de vida do povo Cubano, das suas parcas capacidades financeiras e da falta de habitação condigna, optou-se por requalificar e recuperar o edifício do lote 17yK.

Optou-se por unificar os “dois corpos” num só, criando mais e melhores condições de habitabilidade e salubridade.

Assim a ideia base desta proposta é a de manter a memória coletiva, a de habitação com relações de vizinhança e de pátio. Memória essa que consiste não só no edifício da era colonial e na sua eloquente fachada, mas também na forma como é, e como tem sido habitada e vivida. Assim é intento desta proposta, o requalificar, reconstruir e construir espaços que promovam este mesmo tipo de vivência. Para tal opta-se por manter o primeiro espaço do todo, as galerias, a escala, os vãos e a relação com o “segundo corpo”, que se funde no primeiro de um modo como que simbiótico. Assim propõe-se a construção de novos módulos habitacionais para poder recriar o pátio com a sua mais-valia, a vivencia direta dos residentes com o mesmo. Assim é imperativo que este promova através da conformação das galerias, a vivência de e para o pátio, já que este é entendido como um prolongamento da habitação. Salientar ainda que se promove uma maior relação do edifício com o quarteirão e com a cidade, usando para tal os espaços do piso 0 para comércio, algo que já existia no lote, embora de um modo anárquico e aleatório na zona destinada a jardim.

 

1.2 – Volumetria e suas relações com a envolvente

 

Tendo em conta as diferenças de cota existentes na envolvente, achou-se por bem que a relação volumétrica fosse para com a escala humana, a do residente/utilizador do espaço, sendo que houve lugar a uma preocupação para com as volumetrias adjacentes, de modo a que se “cozesse” com o restante quarteirão, não prejudicando as existentes, nem as que se possam vir a edificar. Isto sabendo de antemão que abrir vãos na extrema do lote é um erro (aliás não é permitido) porque impede o encosto de construção dos lotes vizinhos, e porque se corre o risco de ficar sem a imagem e função dos ditos vãos.

 

1.3 - Implantação e suas relações com a envolvente

 

A preocupação aqui presente foi a de manter a conformação de lote, com pequenos acertos na sua frente, e claro está na construção que conforma o pátio e que vive em galeria. Na sua relação com a envolvente, houve a preocupação de não dissociar o lote com o quarteirão e com a cidade. Poder-se-ia abrir a galeria ao lote contíguo, mas tal não é aqui feito porque acabaria por ser mais do mesmo, e não uma forma de resolver ou influenciar a forma de habitar espaços de utilização/circulação coletivo. O que acabaria por acontecer seria a usurpação de território privado. Assim, fica o lote delimitado pelas suas extremas, sem que haja abertura de vãos para os lotes contíguos.

 

1.4 – Distribuição programática e circulações

 

Optou-se por separar o programa em três pólos, o primeiro que é o do comércio que existe na frente do lote, na galeria periférica à rua, embora seja também tangencial no sentido em que se abre à mesma através da sua relação humana, ao atrair a população a relacionar- se com o edifício e com as pessoas deste. O segundo pólo é o unificador, o pátio, que se combina com a zona social de uso coletivo, tal como o próprio o é, com as habitações. As circulações horizontais são feitas em galeria, quer na frente do lote, quer no corpo que abarca os módulos e no piso superior do primeiro corpo. As verticais são feitas sempre através de escadas, quer nas zonas comuns quer no interior das habitações em dúplex.

 

1.5 – Estrutura e Linguagem

 

No “primeiro corpo ”, a estrutura do edifício mantém-se, ou seja é feita através do uso das paredes resistentes já existentes, mas com a adição de pilares e vigas de reforço, para que se possa edificar uma nova laje de pavimento e de cobertura com as diversas componentes necessárias á sua maior e melhor capacidade de reposta. Nos corpos a construir, a estrutura é porticada, com o fecho a ser feito com o uso de alvenaria de tijolo cerâmico. As lajes são maciças e pontualmente aligeiradas, de modo a que consiga vencer grandes vãos sem a necessidade de lajes de espessura muito elevada. A nível da linguagem, é intenção que seja a estrutura a definir os espaços, e não o contrário. Assim procurou-se reinterpretar a leitura da fachada e da sua caixilharia em madeira, bem como das suas galerias, transpondo essa leitura para a restante construção, mantendo o ritmo, embora claro está, de um modo apenas análogo e não como reprodução pura.

 

HABANA_CUBA - Lote 15yK

Proposta de Intervenção:

Ideia

Neste lote há a responsabilidade de fazer o fecho do quarteirão,

 

Ao olhar para esta casa nota-se que a mesma foi descaracterizada ao máximo. Assim e sabendo que esta tem a ela associada uma linha de arquitetura muito característica de Havana, optou-se aqui por demolir tudo o que não faz parte da essência da mesma. Como a nível de programa académico há a necessidade de cumprir com o índice de construção, projetou-se para este lote, além da requalificação da habitação base, um corpo de apenas um só piso de modo a que se denote que é algo de novo, mas que ao mesmo tempo se liga com a casa. Para tal são os percursos que fazem essa ligação, além de que o mesmo faz a amarração ao muro limite de lote e por sua vez o fecho de quarteirão.

Sendo esta uma ciudadela há que continuar a dar-lhe esse carácter e são os jardins privados das habitações do piso térreo que lhe conferem esse carácter e assumem uma importância tal que as habitações vivem para os mesmos. Estruturalmente deve-se referir que a casa “mãe” continua com o mesmo sistema construtivo, que assenta em paredes resistentes em alvenaria de tijolo cerâmico, sendo que a nova ala é toda ela porticada e com fecho em alvenaria de tijolo cerâmico. Os vãos são bastante amplos de modo a dar luz, neste caso indireta visto que os mesmos estão abertos para norte.